A saúde do futuro na logística

No mês em que comemora-se o dia do motorista (25/7), o Brasil ainda caminha com os pés descalços diante de um pandemia, apresentando sinais claros da necessidade de uma revisão. Decerto, os desafios envolvidos são muitos, principalmente para as áreas de saúde e economia que precisam de dados seguros para a manutenção da eficiência das entregas.

Constantes mudanças em ambientes corporativos foram ocasionados pelo coronavírus, e grande parte dos serviços foram impactados, mas nem todos, negativamente. Na logística, por exemplo, setores de varejo como os de alimentos, bebidas e cosméticos, tiveram altas interessantes, se comparados a anos anteriores, posto o aumento de compras on-line¹,². Entretanto, com a redução expressiva do deslocamento das pessoas, houve menor consumo de gasolina, etanol e diesel, prejudicando o transporte de combustível por caminhões tanque².

E segundo a maior plataforma de transporte de cargas da América do Sul, a FreteBras, houve queda significativa dos fretes nos primeiros meses deste ano, devido a diminuição da produção e demanda de setores industrializados, o que influenciou nos valores por quilômetros rodados da tabela. No entanto, tivemos um interessante aumento de quase 50% da busca por tecnologias para realização de fretes, fato esse que só foi possível devido a alta demanda por cimento, uma das consequências do crescimento da construção civil no país³.

Nesse período de adaptações, startups de base tecnológica vem se destacando por apresentarem maneiras inovadoras de promover saúde e segurança aos caminhoneiros. E com a retomada das atividades industriais, a busca por novas tecnologias para identificação de riscos, é crescente. A Dersalis, por exemplo, atua preventivamente para mitigar os efeitos da fadiga e da sonolência, a partir da coleta e análise de dados vitais em tempo real.

Portanto o futuro da logística é de fato, desafiador, ainda mais por apresentar características de longas horas à direção, trabalhos em turnos e períodos de sonolência, que são causas de acidentes. Contudo, a inovação apresenta-se como uma importante ferramenta para seguirmos em frente, acompanhando e analisando muitas oportunidades para melhorias.



#Pararefletir:
Quando isso tudo passar, pra você será "um novo normal" ou "um novo melhor"?


#Inovação #tecnologia #startups #Dersalis


"Com conhecimento do status de saúde do ser que guia a máquina, promovemos cada vez mais a saúde e a segurança, minimizando falhas e riscos de acidentes".


A startup Dersalis, que transforma a análise dos sinais vitais, captados a partir do uso de dispositivos vestíveis, em indicadores, também atua no ambiente de logística.

E de maneira preventiva, visa a interação com os colaboradores, onde algorítimos, de domínio próprio, permitem que o sistema atue em tempo real, identificando a necessidade de mante-los estimulados e seguros.

"Aumentando seu estado de vigília, acreditamos poder mitigar os efeitos da fadiga e da sonolência, além dos seus riscos associados com até 60 min de previsibilidade".

Obrigado!

"Aprender sempre é o que mais impede que nos tornemos prisioneiros de situações que, por serem inéditas, não saberíamos enfrentar.” - Mario Sergio Cortella

Referências:1:https://www.ilos.com.br/web/08-07-impactos-do-coronavirus-na-logistica-pelo-mundo/ 2: https://revistamundologistica.com.br/artigos/o-efeito-do-corona-virus-no-setor-de-logistica-e-transportes 3:https://www.ecommercebrasil.com.br/noticias/pandemia-derruba-oferta-fretes-primeiro-quadrimestre/

About the Author
André Rocha Soares
Co-Founder, COO e sócio Dersalis; Médico, Pós graduado em Emergência infantil pelo Einstein- SP, Responsável por pesquisas aplicados a prática metodológica instituída, bem como validação e acompanhamento dos dados, gerando insights, alertas e oportunidades de intervenção médica para promoção da saúde.